Crianças

Qual é a introdução do córion no primeiro trimestre de gravidez dicas sobre o calendário de gravidez no Babyblog

Pin
Send
Share
Send
Send


Uma mulher grávida é um mundo inteiro de novas sensações, deveres e conhecimentos. Afinal, carregando seu filho, ela aprende muitas coisas novas sobre a formação da criança, termos médicos e conclusões com as quais os médicos estão familiarizados. Um desses novos conceitos - a apresentação do córion. O que é, quem é e o que afeta? Vamos descobrir.

Por que e quando?

O estado de gravidez para obstetras e ginecologistas está associado a certa terminologia, que não é característica de outras doenças e distúrbios ginecológicos. Um desses termos "córion" é usado pelos médicos para se referir à placenta no primeiro trimestre da gravidez. Portanto, nos cartões de pacientes nos estágios iniciais podem aparecer a entrada "apresentação do córion". Expressão desconhecida em combinação com a palavra "diagnóstico" pode alertar a futura mãe. Você não deve ter medo de nada, mas é melhor ter o hábito de perguntar ao médico em detalhes sobre tudo o que é incompreensível e suspeito. Não tenha medo de perguntar novamente ou esclarecer, porque em tal situação de timidez no consultório do médico deve ser esquecido.

Então, esse diagnóstico na linguagem médica significa a localização errada da placenta. Ou seja, uma situação em que a placenta não está ligada ao corpo do útero e captura o segmento inferior do útero. Às vezes, há uma sobreposição parcial ou completa da faringe interna do canal cervical. A apresentação do córion é mais relevante para o primeiro trimestre da gravidez e, com o desenvolvimento do feto, o córion aumenta. Mas às vezes isso não acontece.

Tipos de apresentação

Baixa previa significa anexar o óvulo abaixo do colo do útero alguns centímetros. Segundo as estatísticas, esta apresentação é encontrada em 5% das mulheres grávidas, e este diagnóstico só pode ser feito durante um exame de ultra-som. No caso de baixa previa, há todas as chances de normalizar a situação. Assim, em 90% dos casos, o córion aumenta para a posição desejada com o aumento do tamanho fetal. Contribui para isso puxar os tecidos do útero, para o qual se estende e a placenta. Ou seja, nessa situação, tudo volta ao normal sem nenhum tratamento medicamentoso.

Encontrado e previa na parte de trás do útero. Esta opção é muito comum e normal. A placenta pode se mover para as paredes laterais do útero, e isso também não é motivo de preocupação. No caso de previa na parede frontal, a migração da placenta é ainda mais rápida - e esta é a norma.

Às vezes acontece que a placenta não aumenta. Neste caso, a sobreposição do sistema interno não é observada. Então uma mulher grávida é recomendado descanso completo e observação por um ginecologista.

Causas de previa

Finalmente, as causas da localização anormal do córion não são claras, mas existem vários fatores que podem contribuir para o desenvolvimento desta condição patológica:

  1. Cicatrizes pós-operatórias no útero,
  2. Inflamação crônica do útero,
  3. Miomas uterinos,
  4. Desenvolvimento anormal do útero,
  5. Um grande número de nascimentos na história
  6. Apresentação do córion e placenta em uma gravidez anterior.

Classificação de apresentação

Existem os seguintes tipos de apresentação do córion:

  1. Apresentação completa (o córion se sobrepõe completamente à garganta interna do colo do útero),
  2. Apresentação parcial (apenas parte da faringe interna é bloqueada pelo córion)
  3. Baixa localização (o córion localiza-se a uma distância de 3 cm ou menos da faringe interna, mas não se sobrepõe a ela).

Sintomas do Chorion Bash

Na maioria dos casos, a apresentação do córion é diagnosticada quando se realiza um exame de ultrassonografia na completa ausência de queixas da mulher. Mais raramente, um córion anormalmente localizado manifesta-se pelo aparecimento de rovus do trato genital de diferentes graus de intensidade (de sangramento intenso a sangramento intenso) contra o pano de fundo da saúde completa. Como regra geral, fatores externos (atividade física, banhos quentes, relações sexuais, etc.) contribuem para a ocorrência de sangramento uterino.

Complicações

A apresentação do córion e da placenta é uma das patologias mais graves em obstetrícia, porque pode levar a uma série de complicações, tanto do feto quanto da mãe:

  1. Rescisão prematura da gravidez
  2. O desenvolvimento da hipóxia crônica,
  3. Retardo do crescimento intra-uterino,
  4. Morte fetal do feto,
  5. Anemia grave com sangramento intenso ou frequente.

Qual é a apresentação do córion e por que isso ocorre?

Até a formação da placenta, o embrião é cercado por uma membrana vilosa que cresce na membrana mucosa do útero. Até a 16ª semana de gestação, é o córion (a partir da 17ª semana - a placenta), que desempenha as seguintes funções principais:

  • Nutrição do embrião
  • Respiração - entrega de oxigênio e excreção de dióxido de carbono,
  • Isolamento de produtos de troca,
  • Proteção de embriões.

No curso normal da gravidez, o córion se liga ao fundo do útero, cresce ao longo das paredes frontal, traseira e lateral, mas nem sempre é esse o caso.

A apresentação do córion é a sua localização errada, na qual há uma sobreposição completa ou parcial do orifício interno do canal cervical.

Por que essa condição ocorre não é completamente entendida. Mas há uma conexão com alguns fatores:

  • inflamação crônica do útero,
  • operações transferidas
  • fibromioma
  • desenvolvimento do útero,
  • um grande número de gravidezes e partos,
  • baixa fixação da placenta na última gravidez.

Tipos de localização de chorion

Com base na fixação do córion em relação à faringe interna previa é:

  • Completo - uma condição na qual o córion se sobrepõe completamente à garganta interna. Posteriormente, ele irá para a placenta prévia.
  • Incompleta - caracterizada pela sobreposição de parte da garganta uterina. Se o invólucro fleecy vai para o terceiro, então é chamado de apresentação marginal.
  • Baixo - o córion está localizado a uma distância de 3 cm ou menos da faringe, mas não se sobrepõe.

O corionismo prevalecente na semana 12 não é um veredicto final. À medida que o útero e o feto crescem, sua migração pode ocorrer e a condição voltará ao normal. Um prognóstico mais favorável é observado para a localização posterior do córion e previa na parede frontal.

A completa sobreposição da faringe uterina pelo córion é um tipo perigoso de patologia que ameaça sangrar maciçamente.

Tratamento de culatra com coro

A apresentação parcial do córion sem sangramento não requer hospitalização. A alocação de qualquer quantidade de sangue é uma indicação para tratamento em um hospital.

É impossível alterar artificialmente a localização da membrana das vilosidades, portanto, a principal tarefa dos médicos é preservar a gravidez. Um regime de tratamento e proteção para pacientes internados é criado:

  • A mulher está em um ambiente descontraído, obedecendo ao repouso na cama,
  • Atividade física limitada
  • Nutrição balanceada é fornecida com a exceção de produtos de fezes de ancoragem ou relaxamento.

O tratamento medicamentoso é o seguinte:

  • Velas com Papaverina, Drotaverina comprimidos para aliviar o tônus ​​uterino,
  • Vitaminas
  • Preparações de ferro, por exemplo, Totem, Maltofer - para a prevenção ou tratamento de anemia.

Na presença de hemorragia adicionalmente usado droga hemostática etamzilato de sódio. No início da terapia, é administrado por via intravenosa ou intramuscular. Então você pode ir para as pílulas.

O sangramento maciço que não é passível de tratamento com métodos conservadores é uma indicação para o término da gravidez.

Após a alta do hospital em casa, você deve aderir a um estilo de vida medido, eliminar o estresse e aumentar o estresse. É proibido fazer sexo, porque isso pode causar novo sangramento e aborto espontâneo.

Qual é o prognóstico da patologia?

A apresentação do córion em 8-14 semanas pode ser transformada na localização normal da placenta ou persistir na forma de uma baixa placentação.

Se a apresentação não desapareceu, mas passou para anomalias da localização da placenta, então, no momento do nascimento, o bebê pode estar no útero transversalmente ou com as nádegas no fundo. Nesses casos, a fim de reduzir o risco, recomenda-se dar à luz através de cesariana.

O que isso significa?

A localização do córion na parede anterior do útero não é uma anormalidade patológica, mas uma mulher precisa de cuidadosa observação médica. Um local infantil desenvolve-se no sétimo dia na região uterina onde ocorreu a implantação de um óvulo fertilizado - nas áreas anterior, posterior e lateral. No entanto, a fixação da placenta à parede posterior, perto do fundo do útero, é considerada mais favorável para a mulher.

Com o crescimento intensivo do feto, as paredes do órgão genital se alongam gradualmente, mas esse processo é desigual. É precisamente a parede anterior do útero que está sujeita à maior carga. Quando a camada muscular é esticada, ela se torna mais fina, enquanto a densidade e a espessura das seções posteriores mudam pouco. Além disso, a parte frontal é mais rapidamente lesada pelos golpes e movimentos da criança, portanto, há risco de dano e descolamento prematuro da placenta.

Ao contrário da camada muscular do útero, a placenta não tem a capacidade de alongar-se, por isso a sua fixação numa densa parede posterior perto do fundo do útero é a melhor opção para uma mulher.

No entanto, há boas notícias. No caso de fixação do córion ao segmento uterino anterior, ele migra mais rápido do que com outras opções de fixação.

Se a placenta estiver 6 cm ou mais acima da abertura interna do útero, isso é considerado normal e a mulher não deve se preocupar. Na maioria das vezes, a gravidez ocorre sem anormalidades e a entrega ocorre com segurança.

As razões para este anexo

Nem todos os processos durante a gravidez acontecem sem problemas, por algum motivo, o embrião se liga à parte lateral ou anterior do órgão reprodutor. O mecanismo do fenômeno não foi estudado em detalhes, mas existem fatores predisponentes:

  • Lesões nas paredes do corpo,
  • A presença de cicatrizes e aderências,
  • Endometriose,
  • A presença de nós miomatosos
  • O acúmulo de desenvolvimento do óvulo.

Na maioria das vezes, a placenta está localizada na parede frontal do útero, violando a integridade de suas paredes internas. Isso acontece depois de várias raspagens, aborto, cesariana. A estrutura do endométrio é influenciada por processos inflamatórios, endometriose.

Tal fixação de coro raramente é detectada em mulheres primíparas, na maioria das vezes é encontrada durante gravidezes subseqüentes. Isto é devido a mudanças nas paredes internas do órgão genital durante o parto.

Às vezes, o óvulo fertilizado se desenvolve mais lentamente do que o necessário. Por causa disso, o embrião não tem tempo para se infiltrar na parede do útero e está preso à parte frontal ou inferior do útero.

A localização do embrião em uma ou outra parte do útero significa que, no momento da inserção do embrião, havia a melhor membrana mucosa. Ou seja, neste segmento havia um bom suprimento sanguíneo e espessura suficiente.

Como a localização afeta a gravidez?

Muitos médicos consideram normal a localização da placenta na parede anterior do útero. Para o curso da gravidez e do parto, não importa se há um assento para bebês na parede frontal ou traseira. Outro parâmetro é muito mais importante - a altura do lugar das crianças a partir da cavidade uterina. Baixo apego é perigoso pelo desenvolvimento de apresentação e aborto espontâneo do feto.

Possíveis complicações da fixação anterior da placenta ao útero

Durante um teste de triagem para mulheres grávidas, a localização da placenta deve ser determinada. Isso permite que você leve em consideração todos os riscos e tempo para evitar patologias. Apesar do fato de o feto estar preso à parede anterior do útero, isso não afeta necessariamente o curso da gravidez. Pode prosseguir sem complicações e terminar com uma entrega bem sucedida. No entanto, existem alguns perigos.

  1. O risco de descolamento prematuro da placenta aumenta. O feto em crescimento exerce pressão sobre a parede uterina e é intensamente pressionado, com a força dos movimentos aumentando proporcionalmente à idade gestacional. Mais perto do parto, surgem as chamadas lutas de treinamento, durante as quais o útero se contrai. Um assento de bebê não pode seguir suas contrações, então o perigo de desapego aumenta. Se a placenta estiver fixada no alto, a parede uterina não tem cicatrizes, então a mulher não está em perigo.
  2. Hipóxia do feto. A localização na parede uterina anterior pode impedir o fluxo de nutrientes para o bebê, é perigoso o desenvolvimento de insuficiência placentária e pré-eclâmpsia. A patologia se desenvolve em baixa placentação, quando o feto adulto aperta os vasos. Como resultado, a circulação sanguínea e o metabolismo entre a mãe e a criança são perturbados.
  3. Placenta previa. A situação mais favorável é a colocação do córion atrás, pois, à medida que o útero cresce, ele se move para cima. A fixação frontal cria alguns problemas. Se, por algum motivo, o embrião estiver muito próximo da faringe interna, então, com o aumento do tamanho do útero, o assento do bebê pode deslizar para baixo. Ao mesmo tempo, fecha total ou parcialmente a saída do útero. No caso de apresentação completa do nascimento de uma criança não pode ir naturalmente, a ameaça de sangramento e aborto espontâneo.
  4. O risco de fixação apertada e crescimento da estrutura embrionária aumenta. As cicatrizes existentes interferem na fixação normal do córion. No entanto, a patologia é bastante rara e, para o seu desenvolvimento, deve haver algumas condições:
  • O último está na frente
  • Há alterações cicatriciais das membranas do útero,
  • Assentos para crianças com pouca fixação.

O incremento da placenta à parede do útero é possível na presença de todos os 3 fatores.

Apresentação de descolamento placentário perigoso, sangramento e aborto espontâneo do feto.

Placenta na parede frontal do útero - o que isso significa?

Em um ultrassom de rastreamento, o médico deve marcar a localização da placenta. O que é isso? A localização da placenta em uma área particular do útero nos permite prever possíveis complicações durante a gravidez e o parto. Isso dá tempo para tomar medidas preventivas.

Normalmente, a melhor opção para fixar a placenta é na parede do fundo. As vantagens desse arranjo residem nas características anatômicas do principal órgão reprodutivo.

  1. A parede posterior e a zona do útero possuem uma rica rede circulatória. Um bom suprimento de sangue para essa área garante um maior fluxo de sangue para o “lugar das crianças”, e a entrega de oxigênio e nutrientes ao feto ocorre em um volume maior.
  2. Esta parte do útero é mais densa e mal esticável, o que permite que a placenta permaneça em uma posição calma, sem o risco de um descolamento prematuro.
  3. O bebê está menos "chutando" as pernas da placenta, reduzindo assim o impacto traumático.

Se a placenta estiver localizada na parede frontal do útero, não há motivo especial para se preocupar. No entanto, deve-se ter em mente que esse local tem suas próprias características. É importante que uma mulher grávida saiba disso com antecedência, de modo que, quando aparecerem os primeiros sinais indicando possíveis complicações, procure ajuda.

  • Se a criança estiver muito ativa, pode ocorrer descolamento prematuro da placenta. Também pode ocorrer durante as contrações de treinamento, quando o corpo está preparado para o parto. Embora esses fenômenos sejam bastante raros, você deve se lembrar deles.
  • Se uma mulher teve uma história de cirurgia no útero ou partos anteriores foram resolvidos por cesariana, o risco de um aumento da placenta para a cicatriz é alto.
  • Se a placenta estiver muito baixa na parede frontal, existe uma alta probabilidade de sangramento durante o parto. Muito provavelmente, sob esta circunstância, será necessária uma cesariana. Quando a placenta está localizada na parede frontal do útero, não deve haver motivo para preocupação.

Gravidez quando a placenta está localizada na parede frontal tem algumas peculiaridades.

  • A primeira mãe começa a sentir os primeiros movimentos mais tarde do que com a localização clássica da placenta. Isso acontece porque a placenta é bastante espessa, os choques fracos não serão transmitidos para a parede abdominal.
  • O médico será difícil de ouvir os batimentos cardíacos do bebê, pois a placenta reduzirá a condutividade dos sons.
  • Além disso, o ginecologista terá dificuldades em sondar as partes do feto.

Apesar de todas as nuances, a gravidez com localização anterior da placenta não é uma patologia. Nascimentos ocorrem naturalmente, se não houver outras indicações para cesariana.

O que é hipertonicidade da parede anterior do útero durante a gravidez e como é perigoso?

Hypertonus é contração muscular excessiva. Se os feixes musculares são reduzidos apenas em alguma área particular do útero, então falamos de um hipertonia local. Muitas vezes marcada hipertonia das paredes posterior e anterior do útero.

Com hipertonicidade da parede anterior do músculo uterino, a mulher sente dor e sensação de peso no abdome. O sintoma de dor é semelhante com aquele durante a menstruação. Naturalmente, no curso normal da gravidez, isso não deveria acontecer.

O hipertonus é perigoso porque pode provocar um aborto espontâneo nos estágios iniciais ou um descolamento prematuro da placenta no futuro.

O hipertonus é diagnosticado durante o ultra-som. A futura mãe com hipertonia do útero deve observar a tranqüilidade e limitar o esforço físico. A necessidade de tratamento médico é determinada pelo médico.

Что значит хорион по передней стенке матки?

Хорионом в эмбриологии зовется наружная оболочка зародыша. No curto prazo da gravidez, a casca em que a criança ainda é difícil chamar a placenta. Após 16 semanas de gestação, as membranas são transformadas em uma placenta completa.

Se foi indicado no ultrassom que o córion está localizado na parede anterior do útero, isso indica a fixação do feto a essa área específica do útero.

A opção clássica e mais bem sucedida de fixação é a parede posterior do útero. Mas não fique chateado se o córion estiver localizado na parede frontal. Isso não é de forma alguma uma patologia, mas apenas uma variante da norma.

O que significa prolapso uterino anterior?

O prolapso das paredes do útero ocorre com a fraqueza dos ligamentos que seguram o útero em uma posição normal. Muitas vezes, essa patologia ocorre em mulheres na idade adulta. O motivo da omissão pode servir como parto difícil, numerosos gêneros, feto grande.

  • Às vezes, o prolapso do útero está associado a doenças (tumores, doenças do tecido conjuntivo) ou a esforços físicos pesados.

Por muito tempo, a descida da parede anterior do útero pode não apresentar sintomas. O prolapso da parede uterina raramente é um sintoma independente. Na maioria das vezes, essa condição é combinada com a omissão das paredes vaginais e da cistocele. Neste caso, a bexiga desce, abaixando a parede da vagina.

Uma mulher neste estado está experimentando transtornos com a micção, queixando-se de dificuldade para urinar ou, inversamente, incontinência.

Em consequência da estagnação, a cistite se desenvolve. Na área vaginal, uma mulher pode sentir um objeto estranho. Esta é a bexiga, que afundou muito, causando dor ao sentar e fazer sexo.

Leia mais sobre o tratamento do prolapso do útero.

Chorion na parede da frente

Chorion (envelope germinal externo que envolve o embrião) é formado no início da gravidez. Em algum lugar a partir da semana 13, o córion gradualmente se transforma em placenta, que até o final da gravidez será responsável pela viabilidade do bebê.

Se de acordo com os resultados do estudo, na conclusão está escrito que o córion está na parede anterior do útero, então isso é considerado normal e não é motivo de preocupação.

Da mesma forma, não se preocupe quando o córion está na parte de trás do útero. Isto não é uma patologia e não pode causar um aborto espontâneo ou espontâneo.

Qual é o apego da placenta e córion?

Às vezes acontece que a placenta está ligada à parede anterior do útero ou no segmento inferior, bloqueando parcial ou completamente a faringe interna do canal cervical.

Às vezes você pode se deparar com o termo “a apresentação do córion”, que do ponto de vista obstétrico, a visão é incorreta, já que o córion é o envelope médio em relação ao resto. A exceção é o primeiro trimestre da gravidez, quando a placenta ainda não está totalmente formada.

Se a placenta não se elevou, mas não há sobreposição da faringe interna, também não há nada de terrível. Grávida precisa apenas descansar e observação no ginecologista.

CLASSIFICAÇÃO DO PLACA DO SITE

A condição mais perigosa é quando a placenta se sobrepõe completamente ao orifício interno. Essas gestantes de 25 semanas são observadas no hospital, mesmo que se sintam bem.

Parece que o processo é tão natural nesta gravidez, mas na verdade existem tantos zomoros! Se a placenta não se elevou e, ao mesmo tempo, a sobreposição do orifício do canal cervical também não é observada, isso também é considerado normal - as mulheres grávidas precisam apenas de monitoramento constante por um ginecologista.

Causas de descolamento prematuro da placenta ou córion

A condição mais perigosa é quando a placenta obstrui completamente a abertura do canal cervical.

Chorion aparece nos estágios iniciais da formação do embrião, é responsável pela nutrição do futuro feto até a 13ª semana de gestação. A partir da semana 13, essa função assume a placenta. Inicialmente, o córion tem a forma de pequenos desdobramentos ao redor do embrião e, posteriormente, essas excrescências crescem e se transformam em vilosidades do córion.

A capacidade de diagnosticar previa tanto durante a gravidez quanto durante o parto usando ultra-som permite o parto antes do sangramento. A este respeito, a última classificação perdeu sua relevância, mas para uma idéia virtual do grau de placenta prévia, ela tem um certo valor.

Os factores de fruta que contribuem para a placenta prévia incluem a redução das propriedades proteolíticas do ovo quando a nidação no útero superior é impossível.

Quando a placenta previa devido ao desenvolvimento insuficiente da membrana mucosa do útero no segmento inferior, a fixação apertada da placenta ou um incremento verdadeiro é possível. O principal sintoma da placenta prévia é o sangramento do trato genital, que ocorre repentinamente em plena saúde, na maioria das vezes no final do segundo ou terceiro trimestre ou com o aparecimento das primeiras contrações.

A ruptura das membranas interrompe a tensão, a placenta se move com o segmento inferior, o sangramento pode parar.

Quando a placenta prévia, o exame vaginal é indesejável, como o descolamento da placenta pode ocorrer, o que aumenta o sangramento.

Se o córion estiver preso ao longo da parede frontal do útero, no terço inferior, o risco de descolamento prematuro da placenta aumenta. Neste caso, a placenta também pode se mover para as paredes laterais do útero. Nada de errado com isso. No caso do córion na parede frontal, também não há motivo para preocupação.

Diagnosticando

A primeira triagem durante a gravidez, realizada na 11-14 semana do período gestacional, inclui uma ultra-sonografia. Na ultrassonografia, o médico mede o comprimento do embrião, estuda sua estrutura, verifica a presença de marcadores de anomalias cromossômicas. Uma das etapas desta pesquisa é o exame do córion.

O momento mais adequado para a ultrassonografia de córion é a 13ª semana de gravidez. Neste momento, as vilosidades formadas são claramente visíveis, o médico pode determinar com precisão a posição da futura placenta - o elo de ligação entre a mãe e o feto.

Segundo as estatísticas, em 90% dos casos, o córion é visualizado em um lugar fisiológico - na parte inferior do útero. Mas às vezes essa estrutura está localizada abaixo, o que é um desvio e causa complicações. No entanto, ao fazer um diagnóstico da “apresentação do córion”, a gestante não deve se preocupar muito, pois a placenta pode mudar de posição após o primeiro trimestre da gestação. Este fenômeno é devido ao fato de que com o tempo, o útero aumenta de tamanho e puxa a membrana fetal.

Normalmente, a posição incorreta da placenta não implica, a gestante não apresenta sintomas. Mas às vezes, na presença de apresentação coriônica de uma mulher, pode haver uma descarga marrom na roupa íntima ou no absorvente. Em casos muito raros, a localização anormal das membranas manifesta-se hemorragia uterina. Estes sintomas ocorrem no fundo de irritantes - fitness, durante o estresse, etc.

Consequências

A complicação mais comum da anomalia é o sangramento uterino. Sua aparência depende do tipo de patologia. Com uma placenta prévia central, o sangue pode aparecer no início da gravidez, começando às 8-9 semanas. Com posições mais favoráveis ​​da descarga do córion vermelho observadas mais tarde, às vezes elas não ocorrem.

O sangramento uterino durante a apresentação do córion é provocado por esforço físico, estresse emocional e outros estímulos. Sua peculiaridade é o fato de que eles não são acompanhados por outros sintomas - dor abdominal, náusea, etc. Devido a isso, o sangramento devido à localização anormal da placenta pode ser distinguido do aborto espontâneo.

Seleções vermelhas não têm regularidade, elas podem aparecer a qualquer hora do dia, em intervalos de tempo diferentes. Às vezes eles são muito escassos na forma de "daubs", com a posição central da placenta, uma mulher pode observar abundante sangramento escarlate.

A principal consequência negativa do sangramento, além do desconforto, é o desenvolvimento de anemia - reduzindo a quantidade de hemoglobina e hemácias por unidade de volume de sangue. Por causa desta complicação, a gestante sofre, ela está preocupada com falta de ar, tontura, fraqueza, confusão, desmaios. Além disso, a anemia afeta a criança, recebe menos oxigênio, o que pode levar ao crescimento intrauterino e retardo de crescimento.

A complicação mais perigosa da placenta prévia é o aborto espontâneo. Aborto espontâneo e nascimento prematuro ocorrem devido a um aumento no tônus ​​uterino, quando o corpo começa a declinar espontaneamente. Em caso de aborto espontâneo, uma mulher percebe um corrimento vaginal vermelho ou marrom, que é acompanhado por dores de cãibra no baixo-ventre.

A localização anormal da placenta geralmente leva à apresentação anormal do feto - uma situação na qual o feto está nas últimas semanas de gravidez. Este fenômeno é observado em 50-70% das gestantes com o diagnóstico supracitado. As opções mais desfavoráveis ​​são a posição transversal e oblíqua do bebê, neste caso, uma cesárea é necessária. Com a apresentação pélvica do feto, as táticas de parto dependem das qualificações do médico e do tipo de patologia.

Abrupção placentária

A placenta, totalmente formada após o primeiro trimestre de gravidez, é o local do fluxo sanguíneo da mãe e do feto. Com suas patologias, a nutrição e a proteção do feto são interrompidas, o que pode causar anormalidades em seu desenvolvimento e, às vezes, levar à morte. Às vezes, em mulheres diagnosticadas com placenta prévia, há desapego.

O descolamento de placenta geralmente está associado à morte dos vasos que o alimentam. A patologia é acompanhada de sangramento, dor abdominal, deterioração da saúde, aumento da frequência cardíaca, palidez e tontura. Se a mulher sentiu o movimento fetal antes do desenvolvimento da complicação, o descolamento da placenta do bebê para a placenta pára ou aumenta acentuadamente.

Os médicos distinguem três graus de desprendimento da placenta. Quando a primeira área de dano ao corpo é inferior a um terço, a criança sofre de falta de oxigênio, mas sua vida não está sob séria ameaça. O segundo grau é caracterizado pelo fato de que a placenta é esfoliada pela metade, o feto está em um estado de forte hipóxia. No caso de lesões mais fortes, observa-se a morte pré-natal da criança por sufocamento.

Com tratamento oportuno para assistência médica em caso de descolamento parcial da placenta, os médicos podem prolongar a gravidez. Se as medidas médicas não terminarem com sucesso e a idade da criança exceder 22 semanas e ele estiver vivo, os especialistas podem realizar uma cesariana de emergência.

Com a placenta prévia, apenas o tratamento sintomático é possível, no momento em que os médicos não podem alterar a posição anormal das membranas do feto. A apresentação baixa e marginal do córion na semana 13 não requer medidas, na maioria dos casos, o órgão assumirá a posição correta independentemente.

Se depois de algumas semanas a posição da placenta não mudar, mas a mulher não tiver sangramento, ela é aconselhada a evitar o estresse físico e emocional, recusar intimidade íntima, dormir mais de 8 horas por dia, descansar muito. Além disso, a futura mãe deve seguir uma dieta rica em vitaminas e microelementos, especialmente ferro. Recomenda-se incluir mais vegetais e frutas frescas, carne magra, peixe, cereais na dieta.

Com uma placenta prévia central, bem como na presença de hemorragia, recomenda-se tratamento hospitalar para a mulher. Além do repouso no leito e de uma dieta balanceada, as grávidas são prescritas para ajudar na gravidez.

Para a prevenção do descolamento prematuro da placenta, são usadas preparações de progesterona - Duphaston, Utrogestan. Seu efeito terapêutico é baseado na redução do tom do útero. As mulheres recebem suplementos de ferro que reduzem a perda de hemoglobina - Ferrum-Lek. Com o desenvolvimento da hemorragia da gestante, a hemostasia é administrada - etamzilato de sódio.

Também mulheres grávidas são prescritas complexos multivitamínicos destinadas a melhorar o metabolismo. Na presença de transtornos mentais, os médicos recomendam tomar sedativos - Valerian, Motherwort. Com o sangramento persistente, que não é passível de tratamento médico, é levantada a questão da entrega de emergência.

Pin
Send
Share
Send
Send